quarta-feira, 16 de junho de 2010

Estrada sem sol e resto de ilusões perdidas.



Trânsito difuso para o caminho mais próximo do que esteve ao alcance do coração. Duas chamas. Pouca vida. Quase nada sobre a mesa. Lembranças e fragmentos de um futuro recente. Rente aos olhos e distante de acontecer. Real? Imaginário? Fantasia? Movimentos transitórios misturados a redes invisíveis a transmutar em sonhos e pensamentos imperfeitos. Um salto rasante no grito da noite. Na soturna e desesperadora espera pela hora da estrela. Sem lógica sempre foram os devaneios mais interessantes

Desconheço o Autor.

Um comentário: